O que é este exercício?

O exercício aqui proposto tem por base uma premissa simples: para diminuirmos a nossa dívida pública (ou diminuir a relação entre dívida pública e PIB) temos que gerar receitas que sejam, no mínimo, superiores aos encargos totais do Estado antes de juros da dívida (ou seja, saldo primário positivo).

Se combinarmos esta variável com uma perspectiva de criação de riqueza (medida pela taxa de crescimento do PIB) e assumirmos uma taxa de juro para a dívida pública, poderemos saber em quantos anos a relação dívida pública/PIB será mais favorável. Sempre que não se reúnam estas condições, não estaremos a pagar a dívida, mas a contraí-la. Quando isto se verifica no simulador, o utilizador verá um sinal de alerta e a sua proposta não poderá ser submetida.

Assim, e para efeitos de simplificação, neste exercício, consideramos:

PIB = Produto Interno Bruto
Saldo Primário = Receitas menos Despesas do Estado (sem Juros da Dívida Pública)
Taxa de Juro = Taxa de Rendibilidade das Obrigações do Tesouro (OT) do Estado Português, a 10 anos


Quando proceder à alteração dos valores dos indicadores ser-lhe-ão apresentados exemplos meramente ilustrativos e de carácter pedagógico, ainda que baseados em números reais, para que possa compreender o mais aproximadamente possível a consequência da sua decisão. Os exemplos apresentados podem, nalgumas circunstâncias, violar o quadro constitucional e legal, não havendo portanto restrições desta natureza. Os exemplos são suportados em fontes de informação pública (Orçamento do Estado e documentos legais, PORDATA, INE, Banco de Portugal, Economist Intelligence Unit e Bloomberg).

No final do exercício, depois de submeter a sua proposta, poderá comparar os indicadores por si sugeridos com valores de referência sugeridos pelo Governo. Estes valores são os que se encontram assentes na perspectiva do Governo apresentada pelo Secretário de Estado do Orçamento, Luís Morais Sarmento, na Comissão Parlamentar do Orçamento, Finanças e Administração Pública a 5 de Março de 2013.

De referir que a informação resultante da utilização do simulador é estritamente confidencial e tem como único objectivo permitir o tratamento editorial da informação agregada por parte do jornal Expresso. Nunca serão divulgados dados pessoais ou escolhas individuais.